Please Like Me: uma série para encarar a vida

Há tempos Please Like Me aparecia entre as minhas sugestões da Netflix, mas sempre deixava a série australiana na lista do “quero ver”. Até que em uma madrugada de insônia resolvi dar uma chance.  Quando percebi estava no quarto episódio da 1ª temporada, cantarolando "I'll Be Fine", a música que embala todas as aberturas. A … Continue lendo Please Like Me: uma série para encarar a vida

Jane the Virgin: uma série para chamar de amiga

Por meses, Jane the Virgin acompanhou minhas manhãs. Antes, Gilmore Girls foi minha parceira entre bocejos e goles de café.  Já esperava o amor pelas garotas Gilmore, mas Jane the Virgin, que por muito tempo evitei por conta do título — por que teria interesse na história de uma virgem chamada Jane? — foi uma … Continue lendo Jane the Virgin: uma série para chamar de amiga

O que aprendi vendo (e revendo) Priscilla, a Rainha do Deserto

Um dos meus filmes preferidos é Priscilla, a Rainha do Deserto, a história da viagem  pelo interior da Austrália de duas drag queens (Tick/Mitzi interpretado por Hugo Weaving, e Adam/Felicia, interpretado por Guy Pearce) e uma transexual (Bernadette, interpretada por Terence Stamp). Devo tê-lo visto pela primeira vez pela TV quando tinha por volta de … Continue lendo O que aprendi vendo (e revendo) Priscilla, a Rainha do Deserto

Saí do Omelete e outras histórias

Quando você faz algo por muito tempo apenas uma realidade parece possível. Qualquer mudança se torna um questionamento da própria existência, o que a quarentena escancarou em escala global. Ao comprometer aquilo que era considerado “normal", as dores da pandemia — e tantas outras que passaram a ser rotina — geraram todo tipo de reação … Continue lendo Saí do Omelete e outras histórias